Novas soluções para compensar escassez laboral

phosphorland phorland Novas soluções para compensar escassez laboral

Novas soluções para compensar escassez laboral

A escassez de mão de obra agrícola está a impulsionar a automação e a criação de robôs que podem fazer colheitas, e outras operações, em culturas onde, até agora, era impensável pensar em mecanização. A região de Moimenta da Beira está a ter problemas com a mão de obra e de ano para ano tem vindo a piorar.

Portugal teve em tempos muita de obra adequada ao setor agrícola, mas com a geração de novas oportunidades em áreas diferentes, o setor teve de se adaptar. Como tal, cada vez mais temos uma interação homem-máquina e a passar cada vez mais para uma interação homem-robô.

Solução

Melhores sensores, robôs que pegam em baldes e transportadores móveis permitem libertar os humanos para fazerem tarefas de valor acrescentado.

A ideia é substituir herbicidas, reduzir o número de trabalhadores necessários e aumentar o rendimento do cultivo com um veículo de grande dimensão, alimentado a inteligência artificial e visão por computador, que se desloca de forma autónoma.

Temos uma força de trabalho envelhecida e a diminuir, em termos de números disponíveis. Aquilo que a agricultura será no futuro dependerá das soluções que arranjarmos. É uma situação semelhante à que se verifica em outros países europeus, na verdade. O futuro, diz, passará por substituir humanos nas tarefas repetitivas, duras e até perigosas. Pensamos que haverá oportunidades para pessoas mais qualificadas tenham a sua quinta.

Muitas culturas a trabalhar juntas podem criar sinergias e eficiências, que impulsionarão mais tecnologia e dinheiro e beneficiará toda a gente.

Menos trabalhadores, menos riscos agronómicos. No entanto as máquinas que tenho visto são relativamente simples e as mais comuns, são pequenos robôs. Usados para agarrar, levantar e movimentar vasos e contentores, para que os trabalhadores não tenham de o fazer, serem autónomos. Uma das vantagens é o menor número de trabalhadores que são precisos e a redução da exposição dos mesmos a riscos ergonómicos. “Estes robôs podem fazer trabalhos dos humanos que representam esses riscos”.

 

Algumas notícias sobre agricultura:

  • “Adeus (publi)cidade, agora o Carlos é agricultor na aldeia” – Ler artigo
  • “Método inovador facilita combate à vespa asiática em Arouca” – Ler artigo
  • “Declaração de existências de apiários 2019” – Ler artigo

 

Se quiser ler outros artigos sobre a Nova Agricultura – Ler mais

Eng.º José Rui Gomes – IT Manager – Universidade do Minho, Jornal Terras do Demo, de 26 de outubro de 2020

Por Raul Pinheiro

Licenciado em Engenharia Agronómica pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo, tendo feito Erasmus, na University of Environmental and Life Sciences, em Wroclaw - Polónia. MBA em Agronegócios pela Universidade de São Paulo, Brasil.